Tutoriais

SiS & Ubuntu 11.04

Há um tempo que fiquei de postar a solução que tive para poder usar “decentemente” em meu notebook o Ubuntu 11.04 sem problemas de desempenho, sombras de janelas e tudo mais ocasionado pela “belíssima” placa de vídeo integrada SiS 671 (671 / 672 / 771 / 772).

Sempre que havia um lançamento de uma nova distribuição do Ubuntu, eu que tenho impulso incontrolável de manter-me sempre atualizado, tinha um baita trabalho para fazer minha placa de video funcionar bem. Isso por que a SiS não disponibiliza nenhum driver e/ou suporte para GNU/Linux, por causa de um demoníaco acordo de exclusividade com a Janelas®.

Quando encontrava a uma solução ele nem sempre era satisfatória. Pois os drivers vem sempre de um pessoal abençoado e voluntário que rala para criar um driver para essa placa do mal, quase sempre usando engenharia reversa… o que não deve ser nada fácil.

Enfim, no 11.04 isso ficou um pouco mais fácil e muito melhor. Pois até onde sei, um grupo de indianos que trabalha no driver liberou o código-conte deles, que estava muito bom.
Em posse do código fonte, podemos compilá-lo e funcionará (pelo menos era pra funcionar) perfeitamente, um ótimo suporte 2D e por ser compilado funcionará em na sua arquitetura. Isso mesmo compilando o driver ele funcionará tanto em 32 quanto em 64 bits .

Pois bem, vamos aos passos. Continuar lendo

Padrão
Programas

Yakuake – Elegante e prático

Seguindo minha sequência de postagem, uma na vida outra na morte, estou aqui para falar do Yakuake. Faz um tempo que estava querendo falar dele (quase um ano), quando o conheci, então vamos lá:

O Yakuake que um Terminal nativo do KDE. É a continuação do Kuake, um projeto que foi encerrado em 2004

Janela do terminal Yakuake

Janela do Terminal Yakuake

O diferencial do Yakuake é que depois de aberto ao usar uma tecla de atalho (que por padrão é F12) ele desliza pela tela de cima para baixo e quando acionado novamente a tecla de atalho ele desliza para cima. É um efeito semelhante com terminais de jogos como Urban Terror, Quake e afins.

O visual, que dá um toque fino para ao Yakuake, é bem personalizável, você pode escolher o tempo de rolagem, cores, transparências, fundos. Aliás essa é uma das principais diferenças com o Guake, um terminal semelhante mas nativo do GNOME.
E não é só de beleza que vive esse programa.  Ele também inclui navegação por abas, criação de perfis, divisão da janela horizontal e vertical e diversas outros.

A praticidade desse terminal esta, também, no fato do mesmo ficar carregado você pode oculta-lo no meio de um tarefa e continuar a fazer o que precisa, sem perder o foco, enquanto ele aguarda de onde parou, com suas tarefas abertas/executando ou um comando/texto por digitar

Instalação – Ubuntu: Continuar lendo

Padrão